Lanches saudáveis para levar

18 de setembro de 2019


O mês de Setembro chegou e com ele voltam as rotinas: acordar cedo, preparar as marmitas,  sair a correr, apanhar transportes e trânsito, ir para a escola ou trabalhar e de tarde repetir tudo outra vez.
Para muitas pessoas é uma altura complicada e sobretudo para a maioria das crianças que estiveram tanto tempo sem responsabilidades.
Preparar as marmitas e os lanches para levar também tem que se lhe diga, principalmente se queremos optar por uma alimentação mais saudável.
Deixo aqui quatro sugestões saudáveis muito fáceis de fazer e que vão facilitar a vida no momento de preparar a lancheira, tanto dos mais pequenos como dos crescidos.



Cliquem nos títulos para aceder às receitas.

Barrinhas cruas de maçã














Lixo zero em viagem

28 de agosto de 2019


Sejamos honestos, viajar, passear, conhecer e explorar, é o melhor da vida, não é?

Infelizmente sempre que fazemos deslocações a nossa pegada ecológica aumenta bastante, viajar de avião, por exemplo, é tudo menos "zero waste".
Mas parar de viajar, quer seja por trabalho ou lazer, não faz qualquer sentido no mundo de hoje,  por isso não se trata de atingir a perfeição mas sim de procurar um mal menor.

Sempre tive muito cuidado nas minhas viagens e nunca dei "férias" ao lado ecológico, mas de há uns anos para cá tenho redobrado a atenção e tentado fazer ainda melhor.

Este artigo vem nesse sentido, passar dicas para quem quer o melhor de dois mundos, ser mais "limpo" e viajar. São pequenas truques que fui aprendendo com o tempo e que agora partilho convosco. Acreditem, pequenas coisas fazem mesmo a diferença. Não dê a si mesmo a desculpa que " não tem qualquer impacto eu recusar loiça descartável num avião de 300 pessoas que não fazem nada". Há mais gente que quer fazer o mesmo e a verdade é que nunca sabe quem e quantas pessoas a sua acção vai influenciar. 

Vamos viajar, sim, mas vamos tentar fazê-lo da forma mais ecológica possível.
Espero que estas dicas lhe sejam úteis e fico muito feliz se também derem as vossas sugestões.



SE VAI VIAJAR DE AVIÃO
A maioria das companhias aéreas já permite que os clientes adiram ao Programa de Compensação das Emissões de CO2 de forma a compensarem as emissões de CO2 resultantes dos seus voos. Isto é feito durante o acto da compra dos bilhetes e após um cálculo das emissões, o cliente contribui com um valor para projectos  normalmente de cariz ecológicos. A TAP, a Luftansa, e a Swiss Airlines são exemplos disso. Quando estiver a comprar o seu bilhete tenha esta opção em consideração.


NÃO IMPRIMA OS BILHETES
Use o seu telemóvel para aceder aos transportes públicos. A maioria dos transportes já permite comprar bilhetes online e mostrá-los no momento de embarque sem necessidade de imprimir. 


FAZER AS MALAS
As malas e o tipo de artigos que levamos dependem do tipo de viagem que vamos fazer e do tamanho da bagagem que vamos levar.
Se formos viajar de carro, não estamos limitados pelo tamanho de malas, mas vou fazer aqui um cenário mais complicado: viajar de avião, apenas com bagagem de cabine de tamanho reduzido.
Não nos podemos alargar na quantidade de coisas que levamos, por isso a roupa tem que ser o mais simples possível com peças que combinem entre elas. Esqueça as coisas que não são estritamente necessárias e leve o casaco vestido para não ocupar espaço na mala.
A parte mais complicada para quem não quer consumir descartáveis, plástico e produtos nada ecológicos, são sem dúvida os artigos de casa de banho.
Mais uma vez, depende do número de dias que se viaja e de como se viaja, mas tendo que reduzir ao máximo, acabei por optar por estes essenciais:


    - champô sólido, assim não tenho que me preocupar com as regras dos líquidos e no meu caso serve ainda de sabão para o corpo. Sei que não é o ideal mas quando se quer poupar espaço é assim e são apenas uns dias. Caso esteja mais à larga, levo o sabão artesanal para o corpo.
Não tenho saboneteira de metal ou bambu e não vou a correr comprar uma. Lamento mas para mim a ideia não é nada essa, tenho uma que era da minha mãe, em plástico e que serve perfeitamente. Se já existe não faz sentido descartar, quando esta se estragar, aí sim comprarei outra de materiais mais ecológicos.

- escovas de dentes de bambu. Mais uma vez, não tenho caixa para escovas e não vou comprar uma quando posso usar a imaginação. As saquetas que embalam alguns ingredientes que não consigo encontrar a granel servem perfeitamente e não ocupam espaço (veja na foto).

- pasta de dentes, levo a nossa que está sempre a mudar. Se for das mais complicadas como as da Georganics que vêm em frasco de vidro, coloco um bocado num frasco ainda mais pequenino para ocupar menos espaço. Se for a pasta de dentes feita por mim faço o mesmo, se for a pasta de dentes Couto que também uso de vez em quando levo o tubo inteiro.

-hidratante: se estiver a poupar espaço, levo um hidratante multi-usos que para mim é o óleo de Argão. O óleo de coco também é uma opção mas para a minha pele e cabelo não funciona. De qualquer modo, ambos são práticos porque pode usar para hidratar a sua pele, tanto do corpo como do rosto e ainda as pontas do cabelo. Um único frasquinho dá para cobrir uma série de necessidades.

-toalhitas húmidas: não usamos, fico longe delas. Só se usam uma vez e dificilmente se degradam. Mas se gosta de usar, pode fazer as suas em casa e levar. Posso ensinar um dia, se pedirem com carinho.

- levo sempre sacos de pano para comprar alguma coisa que precise, não pesam e cabem na mochila.

-talheres de madeira, ou os talheres do "desenrasca". Raramente os preciso de usar, mas levo sempre comigo para alguma situação ou caso seja necessário comer nalgum lado em que os talheres sejam descartáveis. São óptimos para usar no avião.

- lenço de pano, sim, eu uso lenço de pano. Tenho daqueles que as avós bordavam e andam sempre comigo para todo o lado. 

- garrafa reutilizável, para não comprar água engarrafada. A grande precaução é beber toda a água antes de fazer o check-in para o avião. Após passar pode encher a sua garrafa na casa de banho ou pedir nalgum café ou restaurante.  Também a pode usar no avião para encher com alguma bebida que lhe apeteça quando lhas forem oferecer. Assim evita o uso dos copos descartáveis que normalmente dão nos aviões ou noutros transportes.




NOS TRANSPORTES

- levo sempre snacks de casa. Assim evito a compra de snacks empacotados e super inflacionados a bordo ou enquanto espero pelos transportes.

- se tiver que almoçar ou jantar a bordo também pode levar de casa. O melhor são as sandes e as empadas ou pastéis. Líquidos e purés não são permitidos.
Se levar a sua refeição evita aquelas que lhe são servidas em embalagens descartáveis e sinceramente com uma qualidade muito duvidosa. Além de que se tiver uma alimentação diferente fica sempre desapontado e de estômago vazio.

- use os seus talheres se os que lhe derem forem descartáveis, e encha a sua garrafa com a bebida em vez de usar os copos de plástico ou de espuma.


ALOJAMENTO

- prefiro sempre ficar em alojamento local, assim posso fazer as minhas refeições e é mais fácil separar os lixos. 

- se ficar em hotéis, levo sempre o lixo reciclável comigo cada vez que saio.

- não uso (nem trago) os produtos de casa de banho que normalmente nos oferecem.  São simpáticos, é verdade, mas é um desperdício de embalagens que são usadas apenas uma vez.

- se ficar mais que um dia no mesmo hotel peço para não mudarem as roupas da cama e as toalhas da casa de banho todos os dias. Não faz sentido, se não o fazemos na nossa casa porque o fazemos no hotel? É um desperdício de água, energia e detergente ( que polui).

NO LOCAL

- prefira comer em restaurantes de comida local, fica a conhecer a gastronomia e evita restaurantes em que a loiça é descartável.
Mesmo que tenha uma alimentação diferente, pode usar aplicações para procurar restaurantes que lhe convenham. 

- quando for às compras leve os seus sacos de pano e recuse sempre os recibos em papel.

- sempre que possa utilize os transportes públicos, é uma maneira de conhecer o local e os locais e poupa ainda nas emissões de CO2 e na carteira.

- esqueça os souvenirs, principalmente se forem de plástico. Se quer oferecer algo, escolha um produto do artesanato local feito com materiais naturais.


PARA REMATAR

Viajar é fabuloso e as emoções e experiências que daí tiramos são únicas.
Viajar de forma mais limpa e ecológica é possível, não creio no entanto que seja possível fazê-lo "zero waste".
Se é fácil? Não é. Somos muitas vezes olhados como alienígenas, mas também sei que somos olhados com admiração e como exemplo. 
Se se passa por situações complicadas? Sim, claro. Por vezes as escolhas que temos fora do nossa casa e da nossa rotina não são nada fáceis e a opção é escolher o mal menor. 
Para mim o ideal é tentar fazer o melhor que posso, mesmo que ponha em causa muitas vezes o meu conforto e complique a vida. Sei que não consigo ser tão rigorosa como sou no meu ambiente mas tento deixar a pegada o mais pequena possível.



Receitas com courgetes / Recipes with zucchini

16 de julho de 2019

{scroll down for english version}

Está aberta a temporada das courgetes. Que bom, porque eu adoro!
Tenho a sorte de ter pacientes que tão carinhosamente me oferecem courgetes biológicas, cuidadas com carinho e dedicação. Mas quem cultiva courgetes ou também tem quem lhas dê, sabe que se começam a acumular no frigorífico e a não ser que se utilizem todos os dias, é díficil acabar com elas.
Mas se precisa de ideias para as utilizar, veja as receitas abaixo.
São deliciosas, saudáveis vegan e livres de açúcares refinados. Experimentem!









/





Zoats - papas de aveia com courgette

27 de junho de 2019


Ultimamente tenho ouvido falar bastante da nova tendência de papas para o pequeno almoço, as zoats, que é como quem diz, papas de aveia com courgette. Se calhar a tendência já não é assim tão nova, mas costumo andar sempre atrasada nestas coisas...
Basicamente a ideia é juntar courgette ralada às papas de aveia de forma a se obter com um legume pouco calórico e de sabor neutro, maior sensação de saciedade, volume de papa e obviamente vitaminas e minerais extra.
Apesar de parecer estranha, a ideia até é boa e a verdade é que as papas até ficam bastante saborosas e mais leves. Existem várias receitas disponíveis algumas levam claras, outras leite, outras água mas acho que não há nenhuma mais correcta que outra, é algo bastante intuitivo e adaptável a casa um.


Esta versão que trago é a minha preferida. O cacau é opcional mas aqui fica óptimo e disfarça completamente a presença da courgette para os mais cépticos não notarem. É uma versão "overnight" porque de manhã nunca há tempo para estar a fazer papas no fogão.  Sirva as papas com os seus toppings preferidos: fruta, frutos secos, coco, manteiga de amendoim... seja criativo e vá variando.


"Zoats" de cacau

80g de courgette ralada com casca
50g de flocos de aveia
1 colher de sopa de linhaça moída
2 colheres de chá de cacau
180 ml de bebida de amêndoa ou outra que prefira
1 colher de sopa de geleia de arroz ou agave ou açúcar de coco

Para servir:
fruta partida
nozes, amêndoas, avelãs...
coco ralado
manteiga de amendoim
chocolate ralado
...
Numa tigela misture a courgette ralada, a aveia, cacau e a linhaça moída.
Junte o leite e a geleia de arroz ou de agave e misture tudo bem.
Coloque no frigorífico , ou se preferir divida em 2 porções primeiro e deixe durante a noite.
De manhã retire e sirva com os seus toppings preferidos.





Sopa de alface (sem batata)

27 de maio de 2019



Sabem quando temos aquela alface no frigorífico que comprámos para fazer saladas que acabaram por nunca acontecer?
Por aqui nada se deita fora e antes que os legumes se estraguem arranjo sempre soluções para os usar.
A alface normalmente é usada para saladas, mas a verdade é que nem sempre as fazemos e a alface vai ficando no frigorífico, ou então estão na época e o quintal ficou cheio de alfaces que nascem todas ao mesmo tempo e não conseguimos dar uso a todo o stock.
Vocês também conhecem alguma destas situações?

Esta é a minha sopa de alface preferida, é super cremosa apesar de não levar batata e esta combinação de legumes é deliciosa.
Faço-a sempre que tenho demasiada alface em casa ou quando me apetece uma sopa cremosa mas muito fácil de digerir . Gosto de a comer com amêndoas picadas por cima, mas se quiser que se torne uma refeição completa, sirva-a com quadrados de tofu ou queijo.



Sopa de alface

1 alface média
1 courgete média
1 cebola
2 dentes de alho
1 alho francês (só a parte branca)
1 cenoura
1 nabo médio
1 chávena de chá de ervilhas
80g de folhas de espinafres
1/2 molho de coentros picados
3 colheres de sopa de azeite
sal
pimenta

Cortar todos os legumes em cubos.
Saltear no azeite todos os legumes excepto a alface, os espinafres e os coentros.
Juntar água até cobrir  os legumes e cozinhe em lume brando até estarem cozidos.
Quando os legumes estiverem macios, juntar a alface, os espinafres e deixar cozer mais 10 minutos. Juntar os coentros picados e apagar o lume.
Passar tudo com a varinha mágica. Se necessário acrescentar mais um pouco de água.
Temperar com sal, pimenta e colocar o azeite.
Levar ao lume de novo só até levantar fervura.
Retirar e servir com coentros picados.





Bolachas de aveia e coco sem glúten

2 de maio de 2019


Há alturas em que o tempo me parece escapar por entre os dedos. Será tarefas a mais ou má gestão da minha parte?
Dou por mim com a agenda toda rabiscada, nada organizada, os afazeres domésticos reduzem-se ao indispensável, as refeições são pouco inspiradas e bastante básicas e até a lata dos biscoitos que costuma ter sempre uns miminhos mais saudáveis para petiscar, está vazia há semanas.


Foi assim que nasceram estas bolachas relâmpago. Se gosta de bolachas, estas vão ser as suas preferidas!
Com ingredientes fáceis de encontrar, saudáveis e sem glúten.
São simples de fazer e mais fáceis ainda de comer! Garanto que não duram muito na lata dos biscoitos, por isso se quiser dobre a receita.
Para uma versão vegan, sugiro que substitua o ovo por um "ovo" de linhaça, se a massa ficar muito mole, acrescente uma colher de sopa de farinha de coco.










Bolachas de farinha de coco e aveia
(rende 12 bolachas)

30g de farinha de coco
90g de flocos de aveia finos
60g de óleo de coco
60g de açúcar de coco
1 ovo

Comece por misturar todos os ingredientes secos.
Junte o óleo de coco amolecido mas não líquido e o ovo.
Misture tudo muito bem com as mãos ou com uma colher de pau.
Coloque a massa no frigorífico durante 30 minutos até estar firme.
Ligue o forno a 160ºC.
Forre um tabuleiro com papel vegetal.
Estenda a massa entre duas folhas de papel vegetal com a ajuda de um rolo da massa.
Retire a folha de cima e com a ajuda de um copo ou de um corta-massas faça as bolachas.
Coloque no tabuleiro e leve ao forno durante 15 minutos.
Retire, deixe arrefecer em cima de uma grade.
Guarde as bolachas depois de frias num frasco fechado.





Bolo de cenoura vegan com creme de caju

14 de abril de 2019


A chegada da Páscoa para mim é aquele marco que significa que o Inverno finalmente se foi e a Primavera está  a dar os primeiros passos. É o renascer das flores e folhas nas árvores, os campos estão cobertos de ervas de um verde vibrante, surgem as primeiras borboletas e até nas pessoas se nota um  ânimo diferente.
De facto, a Primavera tem uma energia ascendente, basta observar o que nos rodeia e sentirmos o nosso corpo. Se repararmos bem, é isto que celebramos na Páscoa: a morte e o renascimento. Não interessa se somos ou não religiosos, esta é uma celebração transversal a muitos credos e culturas. 
Este ano celebro a Páscoa com este maravilhoso bolo de cenoura com creme de caju
A massa do bolo é deliciosa, húmida e feita com farinha de espelta integral. O uso de puré de maçã e da cenoura ralada faz com que os ovos não sejam necessários, tornando este bolo vegan.
O creme de caju é qualquer coisa do outro mundo e combina na perfeição com a massa do bolo. Não é obrigatório , mas garanto que não se arrependem se o fizerem. É uma excelente alternativa aos cremes que normalmente se usam paa cobrir os bolos.
Seja para a Páscoa ou para outra ocasião ou apenas porque lhe apetece, não deixe de experimentar este bolo.





Bolo vegan de cenoura com creme de caju

Bolo
240g de cenoura ralada
240g de geleia de agave
100g de puré de maçã sem açúcar (caseiro ou de compra)
50ml de azeite
300g de farinha de espelta integral 
1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
2 colheres de chá de fermento para bolos
2 colheres de chá de canela em pó
1/2 colher de chá de gengibre em pó
1 pitada de sal
30g de amêndoas picadas

Ligue o forno a 180ºC.
Prepare um forma com 16 cm de diâmetro, forrando o fundo com papel vegetal.
Numa tigela misture as cenouras raladas, a geleia de agave, o puré de maçã e o azeite.
Noutra tigela misture os ingredientes secos: a farinha de espelta, o bicarbonato, o sal, o fermento, as especiarias e as amêndoas picadas.
Junte o conteúdo das duas tigelas e bata tudo.
Coloque a massa na forma e alise a superfície.
Leve ao forno durante cerca de 60 minutos ou até o bolo estar cozido no centro.
Retire do forno, deixe arrefecer e só depois desenforme.

Creme de caju
300g de cajus ao natural
água q.b.
50ml de geleia de agave
120-150ml de leite de aveia ou outro que prefira
1 colher de chá de extracto de baunilha
1/2 colher de chá de canela em pó
1 pitada de sal fino

Coloque os cajus de molho com o dobro do volume da água pelo menos durante 2 horas ou então coloque no frigorífico e deixe ficar de um dia para o outro.
Coe a água dos cajus utilizando um passador e lave-os com água corrente. Deixe escorrer bem.
Coloque todos os ingredientes na picadora, excepto o leite, e pique até obter uma pasta.
Junte o leite pouco a pouco e pique até obter uma consistência cremosa suave e fácil de barrar.
Leve ao frigorífico.

Para montar o bolo
Corte o bolo em 2 ou 3 partes iguais.
Barre cada parte com o creme de caju e sobreponha-as.
Com o restante creme barre as laterais do bolo e o topo.
Pode decorar com amêndoas picadas.
Deixe no frigorífico até servir.